Assine nossa newsletter

Dia do caminhoneiro: afinal como surgiu esta data?


Dia do caminhoneiro: afinal como surgiu esta data?

Está sem tempo de ler o artigo? Então, ouça no player abaixo:

Os profissionais do transporte rodoviário de cargas enfrentam muitas adversidades rodando pelas estradas brasileiras. Levando em consideração todo o empenho e a importância dessa profissão para o Brasil, quatro datas comemorando o dia do caminhoneiro foram adotadas.

A maioria das ocupações conta com uma data para lembrar a população sobre sua relevância. No entanto, ter mais de uma mostra o grande respeito para com a profissão de quem vive sob quatro rodas e o quanto os brasileiros reconhecem o valor do esforço da categoria.

Mas por que, afinal, temos esses dias diferentes de comemoração? Se você é um estradeiro e ainda não conhece o calendário comemorativo dos caminhoneiros, continue sua leitura, pois contaremos um pouco mais sobre cada uma das datas!

25 de julho: o dia do caminhoneiro mais antigo e tradicional

Dia 25 de julho é a data mais querida pelos próprios estradeiros. Afinal, é dia de São Cristóvão, considerado o padroeiro da profissão. Por conta disso, por muito tempo foi considerada comemorativa, mesmo que informalmente, pelos caminhoneiros.

A data é mais uma das diversas ligadas à Igreja Católica, que teve (e continua tendo) grande influência no país desde a época colonial, tornando-se parte da cultura brasileira. A história de São Cristóvão e do motivo de ele ter se tornado o protetor dos transportadores de carga, particularmente, é interessante e orgulha muitos profissionais do ramo.

Contam os relatos que São Cristóvão era um homem extremamente forte e alto, um verdadeiro gigante. Ele vagou por muitos anos procurando o mais poderoso rei para servir e, assim, conquistar o máximo de riqueza e prestígio. Chegou a ser servo do Diabo, mas, ao vê-lo espantar-se com uma cruz cristã, resolveu deixá-lo e procurar aquele que havia botado medo até no “Senhor das Trevas”.

Na busca por Jesus Cristo, foi alertado de que só o encontraria por meio de boas ações. Por isso, passou a ajudar pessoas a atravessarem um rio, conhecido pela correnteza violenta. São Cristóvão (que ainda não era santo) colocava os viajantes sobre os ombros e, com seu tamanho avantajado, levava-os de uma margem a outra em segurança, como um caminhão faz com sua carga.

Certa vez, um menino pediu ao “gigante” que o ajudasse a transpor o rio. No meio do caminho, no entanto, o garoto foi pesando cada vez mais, fazendo São Cristóvão quase desistir. Foi a carga mais pesada que o enorme homem jamais havia suportado. Sentiu como se carregasse o mundo.

Ao terminar a travessia, a criança revelou a Cristóvão que aquele peso era, não do mundo, mas de seu Criador. A partir de então, o “gigante” converteu-se e passou a peregrinar, pregando a palavra de Jesus até ser condenado à morte por isso, a mando de um rei tirano. Assim, tornou-se Santo, por ser um mártir do catolicismo.

Por ter carregado o próprio Deus Cristão nas costas e enfrentado todo o peso do mundo para cumprir a travessia, São Cristóvão é considerado o padroeiro dos caminhoneiros, com muitos devotos ainda hoje. Não à toa, a data tem sido comemorada desde os primórdios da profissão como o verdadeiro Dia do Caminhoneiro, mesmo sem nunca ter sido oficializada.

Dica: Confira o que você precisa saber sobre o caminhão elétrico!

30 de junho: o reconhecimento da cidade de São Paulo

Segundo o Perfil dos Caminhoneiros de 2019, pesquisa de abrangência nacional realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), cerca de um quarto dos caminhões do país estão registrados em São Paulo. Isso faz com que o estado seja o que mais acolhe caminhoneiros e o que mais sente sua presença.

Além disso, uma grande parte da frota nacional passa pelas estradas paulistas, tanto para movimentar os produtos de sua indústria e de sua agropecuária — já que é o estado brasileiro com a maior economia —, como para acessar seus aeroportos e portos, escoando mercadorias vindas de todo o Brasil.

Por tais motivos, o governo de São Paulo, no ano de 1986, instituiu o “Dia do Caminhoneiro”, por meio da Lei estadual nº 5.487. Essa lei transformou o dia 30 de junho na data oficial de homenagem aos profissionais estradeiros — um agradecimento do povo paulista aos serviços prestados diariamente pelos caminhoneiros.

16 de setembro: a homenagem da nação aos estradeiros

Como vimos antes, a data de 25 de julho nunca foi oficializada no calendário. Isso porque todas as comemorações oficiais — homenagens prestadas pelos governos, em nome do povo, às diversas profissões — precisam ser instituídas por uma lei específica.

Isso ocorreu apenas em abril de 2009, quando a Presidência da República sancionou um decreto da Câmara dos Deputados Federais, transformando-o na Lei n° 11.927/2009 — legislação federal que criou o Dia Nacional do Caminhoneiro, homenageando oficialmente os profissionais estradeiros.

A data escolhida para a celebração foi 16 de setembro, marcando o reconhecimento do valor que os caminhoneiros têm — não só para a economia nacional, mas para a manutenção da qualidade de vida de toda a população, por levarem comida, água, medicamentos e os mais variados tipos de cargas aos quatro cantos do país.

Dica: Documento de transporte de carga: tire suas dúvidas aqui!

12 de outubro: o dia da protetora dos caminhoneiros

Já vimos por aqui que a Igreja Católica tem bastante influência no calendário de feriados em nosso país. E uma data muito conhecida e amplamente importante é a de 12 de outubro, o dia de Nossa Senhora da Aparecida — padroeira do Brasil, das mulheres grávidas, dos recém-nascidos e, sim, também dos caminhoneiros!

É bastante comum que, nessa data, as estradas rumo à cidade de Aparecida, no interior de São Paulo, sejam rotas de muitos estradeiros que fazem procissões e carreatas para o Santuário Nacional de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Lá, os caminhoneiros renovam sua fé, agradecem por tudo o que foi alcançado e pedem bênçãos para seus caminhões e para si.

Ser caminhoneiro e enfrentar estradas — nem sempre seguras — é uma ocupação que faz com que muitos profissionais despertem mais ainda a sua fé. Inclusive, vários caminhoneiros agradecem à santa pelo fato de superarem dificuldades no dia a dia de trabalho.

Como vimos, não há só um dia de comemoração aos caminhoneiros no Brasil. Em nosso país, mais de 60% das mercadorias são transportadas pelas rodovias, o que atesta a importância dos caminhoneiros à economia brasileira. As celebrações evidenciam o respeito e o reconhecimento que esses indispensáveis profissionais conquistaram ao longo dos anos.

Garanta o melhor funcionamento e economia do seu caminhão! Confira no banner abaixo:

Conheça as melhores práticas para a manutenção do seu veículo

Além disso, as quatro variações do dia do caminhoneiro também servem como lembretes para as reivindicações dos profissionais, por exemplo, por combustíveis mais baratos, estradas seguras e mais tempo com a família. Cabe a nós estarmos alertas e cobrando soluções mais dignas.

Gostou deste post? Quer mais informações úteis sobre a vida de estradeiro? Então aproveite para saber, a seguir, quais foram os direitos trazidos pela Lei do Caminhoneiro!




Por
25/06/2019

A Rodojacto nasceu em 1969 e, atualmente, atua no segmento de transporte rodoviário de cargas, dividindo-o em duas áreas: a de carga comum e a de carga especial — mercadorias que excedem pesos e medidas.


Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!